Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

A MIOPIA DA SUSTENTABILIDADE

Compartilhe:
patricia-moraes-com-letras

Uma nova mentalidade vem surgindo e ganhou força na última década, que é a especificação de materiais sustentáveis ou com selo verde, feita por profissionais da área tecnológica. Além disso, muitos clientes já demandam um projeto Green Building, onde há no mínimo uso de energia solar, captação de águas pluviais através de cisternas e telhados verdes.

marketing criou um conceito verde e o divulga, incentivando o uso de materiais reciclados, observando apenas a reciclagem como sendo algo sustentável, não se importando com os critérios ambientais que são análise de cada situação e localização do projeto, como um todo. Ainda passa a sensação ao consumidor de estar “fazendo a coisa certa” por adquirir um produto ecoeficiente.

A reciclagem de materiais é um ponto importante em termos de sustentabilidade, mas o uso incorreto de materiais reciclados pode ter efeito contrário ao esperado.

De acordo com Agopyan e John (2011, p. 70 e 71), há vários exemplos de erros nas especificações de matérias consideradas “verdes”. Dentre eles estão:

– materiais considerados ecoeficientes, podem estar associados à sonegação de impostos, desrespeito à legislação trabalhista e ambiental; um material “verde” pode ter sido produzido através de mão de obra semiescrava.

– desconsiderar a durabilidade do produto (vida útil): cada produto deve ser especificado considerando características de emprego, situação e localização de onde for utilizado.

– desconsiderar o impacto do transporte de produtos é uma falha grave no que diz respeito ao meio ambiente. Produtos com carga elevada transportados através de rodovias, emitindo grandes quantidades de CO2, são os mais impactantes. Estes produtos podem ser considerados “verdes” somente se usados próximos das regiões onde são produzidos e perdem sua eficiência quando percorrem grandes distâncias para o uso.

– a falta de capacitação técnica ou treinamento dos operadores ou usuários dos

produtos pode ser um erro no que diz respeito a durabilidade e desperdício de material.

A reciclagem de materiais é um ponto importante em

termos de sustentabilidade, mas o uso incorreto de materiais reciclados

pode ter efeito contrário ao esperado.

A generalidade da especificação de materiais “verdes” têm falhas por serem

usadas de modo universal. E quebram um dos critérios da sustentabilidade que é:  “pense globalmente mas haja localmente”.

Precisa haver uma análise criteriosa dos impactos causados por cada material por parte do profissional da área tecnológica ainda na fase de projeto, ao especificá-lo. O estudo constante e o conhecimento pleno da tecnologia dos materiais e seu comportamento e desempenho são fundamentais para que haja um projeto voltado a sustentabilidade minimizando seu impacto.


SOBRE A AUTORA:

eu

A Arquiteta & Urbanista Patrícia Moraes é formada pela Unisinos e perita ambiental pós graduada pela Uninter
É proprietária do escritório ArqViva Arquitetura Sustentável de Novo Hamburgo/RS.

Deixe seu comentário: